Já com uma boa bagagem de mercado nacional e atendendo alguns clientes no exterior, quase sempre me deparo com grandes empresas que não possuem um departamento de comunicação e de marketing bem estruturados e desenvolvidos; se os possuem.

Muito está me preocupando nosso mercado, onde percebo que está se criando uma cultura de que a agência de publicidade serve para “apagar os incêndios” do cliente e se tornando apenas mais um fornecedor que gera um custo fixo para ser administrado.

Se você, como profissional de marketing, dá valor à sua marca, seus clientes, stakeholders e ao que andam falando sobre sua empresa, deveria ter mais atenção e ouvir o que a sua agência de confiança tem a lhe dizer.

É claro, que caso necessite, os publicitários criarão uma peça para você do dia para a noite. Mas será que é isto que você realmente precisa? A publicidade pode ajudar você, profissional de marketing, a administrar relacionamentos cada vez mais lucrativos com seus clientes! Quanto mais você vende o seu produto/ serviço, mais a agência ganha visibilidade e espaço; é uma via de mão dupla! Uma parceria.

O quero mostrar a você, caro leitor, é que um planejamento pode ter muito mais valor agregado se feito à quatro mãos, trazendo experiências completamente novas para o seu modelo de negócio. Podendo, juntos, elaborar estratégias, mensurar retorno publicitário, entender as necessidades de seus clientes, planejar a mídia, gerir sua marca e muito mais!

Então, da próxima vez que se reunir com sua agência, mude sua postura e faça as seguintes perguntas: quem sou eu? Quem precisa saber? Como eles vão descobrir? Por que eles devem se importar?

Invista em sua identidade! Perceberá que facilita a compra para seu consumidor, a venda para a sua equipe e a construção de valor, para sua marca.

“Olhe pelo microscópio com um olho e pelo telescópio com o outro.” Blake Deutsch

Fique tranquilo. Deixe sua agência falar! Ela tem muito a lhe dizer e oferecer!

 

Texto de Saulo Nardelli – Associado do Projeto (de Belo Horizonte | MG)

 

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Leave a Reply to Alfredo Maximiano Cancel Reply

15 comments

  1. Flávia Rodrigues

    Excelente Saulo!
    Parceria e confiança é tudo!!

      • Flávia Rodrigues

        Muito mais que parceiras!

  2. Olá Saulo!

    É verdade, o mercado em geral está nesse caminho, busca de agências e consultores para apagar incêndios, não existe a cultura de ter uma visão a longo prazo. O imediatismo reina….

    É importante gerar essa sinergia, aproximar as empresas, dar liberdade para ouvir e ser ouvida. A confiança é a base de qualquer relacionamento.

    A sua experiência como empresário e de quem está em contato com o cliente contribui para termos mais uma visão interessante sobre a nossa profissão.

    Abraços!

    Priscila

    • Obrigado, Priscila. Esta é uma triste realidade, na qual as empresas utilizam a força criativa somente como produtora de conteúdo e não geradora. Mas isto vai mudar e já estamos fazendo por onde isto acontecer.

  3. Alfredo Maximiano

    Há que se ter atenção do que é o Marketing que envolve simultaneamente todas as áreas inclusive a de Propaganda. Envolve portanto todas áreas que são responsáveis pelo conceito,desenvolvimento,mercado e,venda do bem ou serviço.Daí, os conceitos de se Implantando o Marketing serem perfeitamente coerentes.Abs

  4. Realmente o planejamento é a base de tudo. Muitas empresas ainda enxergam as agências apenas como executores de layouts. Com esse tipo de relacionamento, o que se perde são boas estratégias de venda.

    • Exatamente, Janaína. O planejamento à quatro mãos envolve uma série de fatores importantes da visão de quem está de fora do negócio. Dá vem também a minha resistência às empresas que possuem houses para executar sua comunicação. Viram meras executoras de layout, como disse acima. Obrigado pelo comentário!

      • Saulo,

        achei interessante seu comentário e concordo que as houses são apenas executadoras de layout, visto que as mesmas possuem departamentos de marketing e trade, que definem as estratégias a serem executadas por meio da comunicação com o mercado.

        A agência nem sempre vai a campo para entender o comportamento do shopper e é por isto que o cliente muitas das vezes reprova por inúmeras vezes um AD.

        Sds,

        • Concordo, Heron! Falta planners capacitados nas agências, sim. Acredito na falta de vontade dos dois lados em entender a raíz do problema, por isto os ADs são reprovados. Mas acredito que a prática de “pastelaria” se enraizou na cultura nacional, fazendo com que as agências não se prontifiquem em entender o problema do cliente e o cliente a não passar o problema para a agência. Eu, sempre que estou com um cliente, ofereço planner exclusivo para o negócio dele. Difícil é o cliente compreender a importância disto… Um abraço e obrigado pelo comentário.

  5. Ótimo texto, Saulo!
    O grande mal das empresas é não saber ouvir e, se ouvem, não saber o que fazer com isso.

  6. Geise Souza

    Muito bom seu texto Saulo!

    Acho que existe aí uma resistência por parte das empresas razão pela qual só contratam as agências para produzir aquio que seu diretor quer, esses empresários preferem errar do que acreditar na capacidade dos profissionais que se prepararam, se especiaizaram para promover sua marca, seu produto, seu serviço.

    Mas juntos vamos mudar essa reaidade, vamos mostrar nosso valor!

    • Precisamos mudar esta realidade, sim, Geise.
      Disputamos mercado com gráficas, designers contratados pelas empresas (que são chamados de “marketing”) e com os sobrinhos dos empresários que “sabem desenhar”.
      É uma triste realidade para o mercado, pois quem move o país são as MPE.