Estratégia como prática social

>

Durante a execução do meu projeto de conclusão de curso tive a oportunidade de estudar o termo “estratégia” sob uma perspectiva que, até então, não havia sido abordada no decorrer da faculdade. Meu problema de pesquisa me levou a conhecer uma visão bem diferente de estratégia, que vai além do conceito que já temos prontos em nossas mentes. É a estratégia vista como prática social onde a participação das pessoas constitui seu principal fundamento.

De acordo com essa visão, estratégia não se restringe a processos planejados, pode sim haver intencionalidade, mas elas são construídas a partir de interações sociais. Pensar estratégias organizacionais nessa perspectiva é considerar que uma orientação estratégica não é sinônimo de planejamento rígido, nem de controle. Ou seja, as estratégias são construídas de acordo com necessidades, sendo elas espontâneas ou intencionais.

O conceito de estratégia como prática social, de acordo com o que estudei nos textos de um pesquisador da área chamado Whittington, considera três modalidades de estratégias: as deliberadas, que são aquelas que têm seus objetivos explícitos e são formalizadas; as emergentes, que surgem a partir de oportunidades ou tendências identificadas pela organização; e as do cotidiano, que são construídas nos dia-a-dia pelas pessoas na sociedade ou numa organização.

Dessa forma, conseguimos perceber que as estratégias são desenvolvidas a partir das interações estabelecidas pela organização, levando em conta o contexto, os processos de interação e comunicação e as atividades do dia-a-dia daquela organização. Na maioria das vezes tentamos ser o mais “estrategistas” possível e utilizamos de processos formais para elaborar estratégias, como o planejamento, por exemplo, mas não devemos nos esquecer da importância dos processos emergentes de estratégia e da interação entre os interlocutores, pois são eles que desenvolvem a organização.

Para finalizar, podemos dizer que, as estratégias de comunicação e marketing, dentro de uma organização, também estão relacionadas à sua interação com a sociedade, e são conduzidas por meio de demandas e oportunidades de ambas as partes, das organizações e dos seus interlocutores. Levando sempre em consideração que, os diferentes grupos na sociedade, também têm suas estratégias de comunicação e estas influenciam diretamente as organizações.

Quer saber mais sobre o assunto? Envie-nos uma mensagem pelo twitter @implantandomkt

Postado por: Vanessa Alkmim

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Leave a Reply

6 comments

  1. Anonymous

    >Sempre aprendendo e esclarecendo com os textos! =)

  2. Juliana Nogueira

    >Ótimo texto, Vanessa. O contexto em que as organizações estão inseridas mudam e, por isso, as estratégias das empresa precisam se adequar a essas mudanças.

  3. Anonymous

    >Isso mesmo, Ju!
    As organizações não são as únicas a criar estratégias, pois as pessoas também formulam as suas próprias no dia a dia, de acordo com a necessidade.
    Além disso é preciso atentar também para o fato de que a elaboração de estratégias, em forma de planejamento, não é um meio de controle absoluto. Elas não se restringem somente ao formal e planejado, pois a todo momento, em nosso cotidiano, surgem estratégias espontâneas que irão guiar, e até mesmo modificar, nossa forma de agir.
    Vanessa Alkmim

  4. Anonymous

    >Gostei muito do texto Vanessa!
    Outro ponto que deve ser considerado e o de que a cultura da empresa viabiliza ou inviabiliza a implantacao das estrategias. Tenho aprendido que a cultura e um grande motor do como as coisas funcionam nas empresas e deve ser considerada com muito cuidado durante o planejamento de implementacao de todo projeto!

    Tati.

  5. Anonymous

    >Com certeza, Tati!

    Por exemplo, o post-it surgiu de uma estratégia emergente da 3M e isso só foi possível devido a cultura da empresa, que abre espaço para o uso da criatividade e incentiva novas idéias.

    Um funcionário tinha a necessidade cotidiana de um papel para anotar recados que fosse pequeno e adesivo, e deu a ideia inicial. A 3M apoiou, comprou a ideia e eis que surgiu o Post-it, um dos seus produtos de maior sucesso, fruto de uma estratégia emergente que a empresa soube aproveitar.

    Esse é um dos mais claros exemplos de como a cultura da empresa pode ou não viabilizar boas idéias e consequentemente bons negócios.

    Vanessa Alkmim

  6. Anonymous

    >Estudei sobre esse tema na facul nas aulas de planejamento estratégico, poucos cursos abordam essa temática, mas ela é extremamente importante para entender a comunicação nos dias de hoje. Paula