Inteligência Competitiva e o Diagnóstico Estratégico

Bem, vou começar a primeira postagem de 2013 com sugestões para o início da área de Inteligência Competitiva.

Com a eclosão e multiplicação do conhecimento, o Capital, a Terra e o material perderam a hegemonia do processo de geração e agregação constante de valor, desta forma, os bens e serviços intangíveis, de alto valor agregado, valem mais que os tangíveis. Neste contexto, a gestão do conhecimento se torna vital.

Entender o negócio,  fazer um levantamento sistemático das informações presentes no ambiente de negócios. Entender a estrutura jurídica e cultura corporativa da empresa e buscar vantagens competitivas decorrentes desta. Buscar os Valores, Missão e Visão de mercado.
Proponho uma análise SWOT (Forças, fraquezas, oportunidades e ameaças). A metodologia SWOT é utilizada para identificar o que é viável de ser explorado, enquanto oportunidades nas áreas onde a organização é mais forte, e traçar defesas para onde ela é mais fraca e é mais ameaçada. Os pontos fortes e fracos estão pautados na análise do ambiente interno e as oportunidades e ameaças são análises do ambiente externo.

O Modelo das cinco forças de Porter é o passo seguinte para entender a forças do ambiente externo que mais afetam uma organização. As cinco forças são basicamente o entendimento dos novos entrantes, os produtos substitutos, o poder de barganha dos clientes, dos fornecedores e as barreiras de entrada e saída criadas neste mercado.

Após deve-se sistematizar as informações sobre os clientes preferenciais (margens mais atrativas, compra por grandes volumes, etc.) e os clientes potenciais (com crescimento estimado nos próximos meses, trimestres, anos, etc.), outro ponto importante é a análise da legislação que afeta o segmento diretamente – que podem causar aumento ou diminuição da demanda.

Os objetivos estratégicos podem ser estruturados após o levantamento das informações precedentes – Esta primeira fase podemos considerar como Diagnóstico Estratégico. O passo posterior é a estruturação de um Sistema de Inteligência Competitiva (SIC), mas este é um assunto para a próxima postagem.

 

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

10 comments

  1. Oi Luis!

    Muito legal que você tenha trazido essa inspiração para o ano.

    Essa semana mesmo escutei de um professor que a análise SWOT por si é simples de se fazer, o difícil é interpretar essas informações, usá-las para um planejamento….

    Preciso conhecer mais também sobre as 5 forças de Porter, vou usá-lo no meu TCC… E entender como podemos trabalhar com ele.

    Adorei o seu passo-a-passo!

    Abraços,

    Priscila Stuani

    • Luis Paulo Farias

      Olá Priscila,

      Realmente, em tese é simples de se fazer. Porém, o coração de qualquer projeto é coleta de informações. Se ele se constituir de informações equivocadas, o projeto todo terá um desfecho desastroso. Por isso comenta-se na simplicidade da técnica em si. Realmente, o modelo é muito semelhante à um jogo infantil. O analista experiente antevê o desdobramento da estrutura inicial da coleta. As 5 forças de Porter são muito importantes para a estruturação e monitoramento do(s) projeto(s).

      Tenho bastante material sobre técnicas de IC… Nada especificamente sobre Porter, mas talvez ajude. Se preferir posso te passar por e-mail.

      Abraço,

        • Luis Paulo Farias

          Perfeito Priscila…

          O e-mail e os textos…

  2. Janaina Rehder

    ótimo texto Luis!!!!

    É sempre bom conhecer os modelos existentes, para saber utilizar aquele que melhor se encaixa ao nosso negócio.

    Abraços,

    • Luis Paulo Farias

      Obrigado Janaina,

      Conhecer as várias técnicas e cases de aplicação delas amplia nosso portfólio de ação. Reside ai a experiência.

      Abraço,

  3. Legal, LUIS PAULO.
    Sem dúvida as ‘5 Forças’ de Porter é uma ferramenta essencial e muito útil na determinação e avaliação do nível de Competitividade de um determinado segmento de mercado.
    Um conceito muito simples e aplicável a qualquer análise.
    Abraços e $uce$$o! :)

    • Luis Paulo Farias

      Realmente André,

      Conheci uma professora, estrangeira, que dizia que era aplicável até à relacionamentos e em nossa própria autoanálise… Um pouco de exagero, reconheço… Mas enfim, se bem aplicada à análise de mercado já colabora e muito no entendimento do negócio.

      Abraço

  4. Ainda sobre Porter, recentemente saiu no Brasil um ótimo livro sobre o professor abordando exatamente os aspectos de Competição e Estratégia. O livro chama-se “Entendendo Michael Porter” de Joan Magretta.
    Recomendo. :)

    • Luis Paulo Farias

      Interessante,

      Ouvi falar bastante sobre este livro. Mas ainda não tive o prazer de lê-lo. Vou providenciar. Conhecer o ser humano por trás da teoria/prática, contribui para entender as inquietações que o levaram à este questionamento.