O que o marketing se parece com o esporte parkour, e vice-versa

marketing

Cenas do esporte parkour no clipe de Jump, de Madonna, do álbum Confessions On A Dancefloor.

“Quanto mais você espera, mais tempo você perde”. Essa é uma frase da música “Jump”, de Madonna (2005), que assisti ao videoclipe e a apresentação ao vivo da música na tour de 2006, “The Confessions Tour” por esses dias e me inspirou a escrever este post. Ambos foram inspirados num esporte até então desconhecido na época, o parkour, comecei a analisar o parkour e sua analogia com o marketing e, então, cheguei a seguinte conclusão: corremos contra o tempo, somos o tempo inteiro testados, inventamos, criamos, eficiência é o sinônimo do marketing…Enfim, o parkour é também mais um sinônimo de marketing. Pronto.

Vivemos tempos de parkour, de correr contra o tempo para cumprir prazos, mostrar ao público aquela sua super campanha em que você idealizou por meses no ambiente off ou online. Parkour em nossas vidas, no marketing e nas empresas. Não existe tempo. O tempo é agora. “Sem trabalho e nenhuma luta, eu não vou encontrar meu próprio lugar, canta novamente Madonna.” Mais que decidir rápido, agir mais rápido ainda, sem tempo para os caminhos convencionais, pois todos já os testaram – inovação, desafios novos. A eficiência e a eficácia hoje são insuficientes. Vivemos em tempos de parkour.

O parkour surgiu na França por David Belle, e mais que uma atividade física, uma disciplina, um jeito de ser, pensar e agir, é vigiar, é ficar atento ao acontece em nossa voltar, é estar alerta, é já estar preparado para quando a bomba estourar, se estourar. Esperar pelas emergências das crises, das redes sociais, do digital. E é assim. Assim que nos encontramos, sempre de olhos abertos, pois nunca se sabe qual será o próximo alvo. Ou seja, parkour.

Os praticantes são os traceurs ou traceuses (são derivados do verbo – traçar – , fazer de forma mais rápida possível. Não é assim no marketing? “Quanto mais espero, mais tempo eu perco,” outro trecho de “Jump). Nós somos os praticantes, nós nos movemos da forma mais rápida possível e na maioria das vezes por caminhos desconhecidos e novos. Vivemos pela novidade, somos pagos para fazer a novidade, ou pelo menos, aprimorá-la sem muitas vezes sem muita confiança pois, assim como o parkour, você não sabe qual é o próximo obstáculo. Agilidade.

Você pratica o parkour/marketing em qualquer lugar e basta usar uma calça e camiseta leves e tênis macio de sola reta para os saltos, para não se machucar e para facilitar o percurso, o trajeto, o objetivo. Assim como uma simples ideia para sua campanha para tudo acontecer. Opcionais, se você quiser, em ambos os casos, são por sua conta e risco. Você precisa desenvolver força, resistência, coordenação motora, concentração, força de vontade, determinação e coração. Espera aí, isso tudo que eu li não é o mesmo que estudo, ousadia, preparação, timing, ou seja, não é tudo que eu preciso ser/ter para ser um ótimo profissional em minha carreira, um ótimo profissional de marketing, independente da área; tudo o que precisamos para a perfeita travessia do velho ao novo, do hierárquico ao colaborativo, tanto para os profissionais quanto para as empresas?

Nosso tempo é nosso desafio, nosso tempo é desafiado a todo instante. É nos preservar para continuarmos no dia seguinte, é talvez o próximo passo a ser executado do projeto que você fez para a sua empresa encantar seus clientes. Segundo os adeptos do parkour, “é ridículo procurar liberdade e acabar quebrado numa cadeira de rodas.” Opa, não somos estimulados no trabalho, e ao mesmo tempo, talhados por algum motivo, seja por estratégia ou por quem está acima de nós e não compreende nossa visão? E da mesma forma que os praticantes do parkour na paisagem urbana, profissionais e empresas precisam caprichar no landing (aterrissagens seguras e com amortecimento evitando lesões articulares; balance (equilíbrio em todos os movimentos); cat balance (um gato nunca cai rolando); underbar ou jump through (nem sempre a melhor decisão é saltar; muitas vezes passa-se por baixo, analisa ainda mais as estratégias, ou joga fora, pois já se viu que o que foi pensado não é o ideal para o momento); roll (cair rolando e amortecendo a queda, no marketing seria o que chamamos de erro de percurso e depois tentar apagar o incêndio criado ocasionado pela estratégia errada); e mais, climb, vault, cat leap, drop kitty, gap jump, muscle up, tic tac… Fique a vontade para pesquisar os termos do esporte ok?

O que quero dizer com tudo isso é simples. O que o praticante do parkour (= o profissional de marketing correndo contra o tempo em seu trabalho e na aprimoração de seu conhecimento) busca, no fundo, é conhecer seus limites para poder expandi-los, a permanente busca da superação, aproveitar ao máximo e mais suas competências específicas, como melhor caminho para superar seus concorrentes, vender ideias e produtos em qualquer ambiente e deslocar-se de um ponto a outro da forma mais rápida e eficaz possível.

Uma pergunta que talvez você se faça: “eu acabei de ler sobre o parkour ou sobre minha carreira no marketing ou sobre minha vida?” Eu te respondo: sobre as três coisas. Tudo o que o parkour é e faz não é simplesmente o que fazemos em nossa correria diária de bater metas, de vender, de ter a melhor arte, a melhor peça, a melhor equipe, o espaço para desenvolvimento de suas ideias e objetivos com sua empresa e seu trabalho? Então, você faz parkour todos os dias, mesmo que sem saber.

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

3 comments

  1. Olá Marcos!

    Não conheço muito sobre o Parkour e gostei :) Boa analogia!

    O fator tempo com certeza é o que mais nos deixa apreensivos com o trabalho, porque boas ideias não tem hora nem dia para chegar…

    Parabéns,

    Pri

  2. Eliane Lages

    Oi Marcos,

    Parabéns pelo post e pela visão diferenciada que você lançou sobre a área de marketing. Bem criativa a abordagem que você usou, aprendi muito com você.

    Continue compartilhando suas ideias conosco.

    Abraços, Eliane Lages.

  3. Gabriel Pierri

    Um dos fundamentos primordiais do parkour é não competir com o próximo, mas sim consigo mesmo. A maioria das campanhas de marketing são o oposto disso, pois competem com outras campanhas, que estão dentro de uma corrida de mercado. Pesquise mais sobre parkour, e em fontes específicas dos próprios praticantes. Vale lembrar também, que em cada localidade o parkour ganha peculiaridades e, por tanto, não existe uma filosofia consensual, mas subjetividades…