De uns anos pra cá, todo dia você encontra ao menos uma reportagem falando sobre smartphones e tablets, ou se não especificamente falando deles, furos de reportagem e registros feito pelos mesmos.

E do mesmo jeito que a venda desses dispositivos aumentam, aumentaram também os infográficos e pesquisas falando sobre eles. Podemos tirar uma conclusão disso: o mercado mobile está em crescente evolução e  não vai estagnar tão cedo.

Em 2012 por exemplo, o número de celulares superou o número de habitantes no Brasil e em 2013, serão mais de 50 milhões de smartphones no Brasil. E sabe aquele dispositivo que quando foi apresentado gerou desconfiança nos consumidores, o tablet, já é tido como crucial em muitas empresas, e as vendas aumentam exponencialmente a cada ano. Só em 2013, estima-se que sejam vendidos 5,4 milhões de tablets. O cenário mobile no Brasil é muito promissor, e muitas empresas estão de olho nisso. Rumores dizem que a Apple pretende inaugurar cerca de 30 lojas próprias no Brasil, até 2016. O sistema operacional para dispositivos móveis desenvolvido pela Mozilla, o Firefox OS, será lançado primeiramente no Brasil.

Com todos esses números e informações, vemos tendências surgindo e até o governo se preocupando com isso. A redução de impostos para smartphones no Brasil  foi aprovada e prevê a queda de até 30% no preço desses dispositivos. Só resta saber se as empresas irão realmente reduzir os valores. Também vemos o consumo de mídia em múltiplas telas, a “segunda tela” ou  “second screen”, aumentar consideravelmente e fazer com que empresas e programas de TV criem estratégias para manter o contato com o consumidor. Outro fator é a adoção do “Mobile First” (Pensar primeiramente em mobile) por parte de muitas empresas, entre elas, Google, Facebook e Apple. E visto que as buscas através de dispositivos móveis ultrapassará a de desktops em 2013, não se pode deixar de falar da publicidade móvel ou mobile advertising, que só em 2013 deve chegar a cerca de US$11,4 bilhões em 2013.

Além desses fatores, a venda de PCs não para de cair. Podemos ver um fator curioso em breve, muita gente tendo seus smartphones e tablets como indispensáveis, mas talvez nunca ter usado um desktop.

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Leave a Reply

3 comments

  1. Alessandra Alkmim

    Excelente post para uma realidade existente e atuante! Ainda prefiro meu desktop e meus livros. Não quero me entregar totalmente à essa nova realidade. Mas vou compartilhar com certeza! Beijos e boa semana!

  2. É isso ai, ARTHUR! 2013 vai ser um ano emblemático para o mercado Mobile, principalmente no Brasil.

    As vendas de Smartphones vão superar a dos celulares “comuns”; as vendas de Tablets vão explodir; o 4G vai começar a acontecer (ao menos em cobertura, qualidade e velocidade já é outro assunto… ); as operadoras vão começar a oferecer compartilhamento de planos de dados, uma conta única com dados consumíveis em 2 ou mais aparelhos (smartphone, tablet, modem móvel, câmera fotográfica…).

    Pouco a pouco os consumidores vão se dar conta que Mobile não é apenas telefonia de voz ou acesso a internet.

    Em 5 ou 10 anos, não vai existir nenhum equipamento (novo) eletrônico que não esteja conectado de alguma forma à rede. Além dos equipamentos conhecidos hoje, geladeiras, micro-ondas, aspiradoras de pó, ar condicionado… enfim qq equipamento eletrônico estará conectado à rede, fixa ou móvel, 4G, 5G, 6G…. ‘n’G! Evidentemente que por razões diferentes! Vc não vai ler emails no aspirador de pó, mas ele vai estar conectado à rede para, por exemplo, o fabricante te mandar um email dizendo que a garantia expira em um mês e pelo jeito a bolsa de sujeira nunca foi esvaziada (!) e valeria a pena vc levá-lo à Assist. Técnica para um ‘check-up’. Ou vc saber que horas todo dia o aspirador é ligado e desligado (se é que alguém que o deveria ligar o faz mmo… pobres trabalhadores domésticos!)
    Sua geladeira vai ter leitores de QR-code e vai te avisar, baseado no consumo médio dos últimos meses que está na hora de comprar mais leite, por exemplo. E como vai estar conectada à internet, talvez nem precise te avisar antes, já com sua aprovação prévia (frequencia e limite de gasto), ela simplesmente vai disparar um pedido ao supermercado online e te notificar que já comprou por vc. São apenas alguns exemplos.

    Difícil acreditar? Espere e veja.

    Apenas um detalhe: sobre os tais 30% de queda nos preços dos Smartphones, cabe um esclarecimento: não é 30% de baixa no preço final ao consumidor e sim na alíquota de imposto que no final das contas pode representar até cerca de 10% de economia para o consumidor. E não são todos os Smartphones ‘beneficiados’ por essa redução de impostos, apenas os abaixo de R$ 1.000 (mil reais) preço ao consumidor.

    Excelente post. Parabéns! :)

  3. Olá Arthur.

    Nossa… Impossível ficar sem smartphone, pelo menos para mim,rs.

    Complementando o seu texto, belo comentário do André!

    Eu não duvido de mais nada nessa vida viu gente. Quando eu tinha 18 anos (o que não faz muito tempo diga-se de passagem),rs, eu era promotora de vendas da vivo, e um dia um cliente me perguntou “moça, vc já tem aquele celular Twist, da sansung? Que tira foto e tal…” E eu, incrédula, porque não tinha visto o Fantástico, onde mostraram reportagem falando dessa nova tecnologia, falei para o cliente que ia demorar muito tempo para chegar no Brasil. Ledo engano…… E não me esqueço desse episódio, porque a evolução tecnológica é incrível!