Saber como avaliar uma estratégia organizacional é preciso!

Este post é um ponto de pesquisa para reflexão e assim ter-se um entendimento mais preciso e necessário aos que irão desenhar estratégias ou simplesmente operacionaliza-las. Definir estratégias organizacionais não é uma tarefa difícil, mas é necessário conhecimento e capacitação técnica, além de expertise em gestão, marketing e conhecimentos sobre estratégias. De tudo, o mais complicado é avaliar a estratégia. Afinal, é necessário dividir a própria empresa em duas partes. Há que se entender a qual segmento a empresa pertence e depois a posição que ela ocupa dentro da indústria. De outro modo, nunca se chegará a compreender como competir e, tão pouco, a melhor maneira de fazê-lo.

A busca por esclarecer esta relação entre a indústria e sua rentabilidade, resultou de extrema utilidade da teoria da estrutura da indústria, um esquema proposto há alguns anos.

O motivo pelo qual as empresas farmacêuticas são tão rentáveis é porque as forças do mercado lhes são muito favoráveis. As barreiras de ingresso são latas, o poder do consumidor é baixo, a rivalidade se baseia na inovação, e não no preço. Em contrapartida, na indústria do frete a rentabilidade é reduzida porque o poder do consumidor é alto, é fácil ingressar na indústria, a competição não se baseia na inovação e sim, no preço e, além do mais, a pressão com respeito a queda dos valores de mercado é constante e poderosa.

Parte da função do estrategista é entender os motivos que levam a rentabilidade ou a falta dela para uma indústria. Sem entendê-los, é impossível tomar qualquer tipo de ação, nem pensar como mudar.

Como consequência, a função de um estrategista é tratar de influir a estrutura da indústria na qual se compete, e não somente aceitar as regras que impõe ou a configuração que adota.

Na atualidade, uma das principais características das grandes empresas é, precisamente, liderar as mudanças em sua atividade e fixar as pautas da indústria.

Conhecer as concorrências

Para ser mais rentável que os players do mercado existem poucas alternativas: ter preços mais altos que o concorrência, ter custos mais baixos que o rival, e entregar um produto de qualidade e valor compatível. Isto é uma questão matemática simples, mas ao mesmo tempo é algo que muitas empresas não consideram.

A maioria das indústrias sabem qual é a sua rentabilidade comparada, mas não conseguem entender bem por que a rentabilidade que possuem é maior ou menor.

É fundamental avaliar se a empresa está acima ou abaixo da média da indústria, se é uma questão de preços ou de custos, ou se há disponível, formas mais eficientes de trabalhar para abaixá-la. É de vital importância tomar uma decisão a respeito, porque as ações a se realizarem em um ou outro caso são absolutamente diferentes. Por exemplo, não é o mesmo conseguir que uma empresa venda a preços mais altos, que arbitre a melhor forma de conseguir maquinas a custos mais baixos. Em si tratando de avaliar ambas as coisas, somente conseguiremos uma grande confusão.

Entretanto, há uma grande maioria de empresas que se dão por satisfeitas em redigir a lista de seus pontos fortes e fracos. Mesmo este enfoque sendo obsoleto, e não funcionar, o competir já não é o mesmo de antes, os players estão cada vez mais preparados e competitivos, a tecnologia é para todos e se organiza melhor quem sabe utilizar.

Para analisar mais em profundidade à relação entre custo e preço, há uma ferramenta básica, chamada cadeia de valor, que cobre a equação de seus distintos aspectos.

A cadeia de valor é um conceito que reflete o que a empresa está fazendo, qualquer que seja a indústria na qual se articule.

Qualquer empresa é, simplesmente, uma coleção de atividades, de modo que, para avaliar questões de custo e preço, devemos passar do conceito “empresa” para “atividades que formam a empresa”.

Uma vez verificada a estratégia, o segundo passo para confirmar se ela está fazendo o dever de casa, é analisar como leva adiante essa estratégia.

Isto é, se está fabricando o produto da mesma forma que o concorrente, e vendendo-o de forma semelhante, ou se possui filosofia própria, e aí voltando à indústria farmacêutica, que fabricam as mesmas coisas, mas as comercializam de maneira diferente; analisam os resultados de maneira semelhante, mas cada uma com a sua estratégia e posicionamento. Podem até parecer iguais, mas o que fará a diferença é a forma como a força de vendas atua no campo. Estratégias personalizadas e adaptadas as atividades de cada elo da cadeia de valor a esse posicionamento singular que elegeu. Inclusive utiliza ingredientes diferentes na elaboração de seus produtos, o que faz com que todo o processo de fabricação, tão pouco, seja o mesmo que a concorrência utiliza ou a forma de atuação, mas o posicionamento no campo.

Podemos concluir afirmando que a estratégia, ou estratégias, deverão seguir conforme as necessidades adaptativas de cada mercado, mas seguindo sempre um padrão academicista adaptável as culturas.

Estou esperando sua participação. Escreva para nós, leia as outras colunas, comente. Aguardo os seus comentários > professorfreire@academiadavenda.com.br

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.