Ser especialista em clientes traz consequências. Você precisa estar preparado!

Sucesso! É o que desejo a todos que leem meu primeiro post de 2017.

Poderíamos ter escolhido conversar sobre todas as tendências para o relacionamento com os clientes prometidas para 2017, ou até mesmo fazer um resumo de tudo aquilo que deu certo em 2016, ou mesmo dos grandes “furos” ou “gafes” cometidas em nossa área no ano passado, mas acredito que todos nós já tenhamos lido muito a respeito nesses primeiros dias de janeiro. Portanto, creio que isso seria apenas mais do mesmo. 

Que tal se fizéssemos uma reflexão sobre a escolha de sermos especialistas em clientes? Quais são os bônus e os ônus de sermos especialistas naqueles que literalmente são os responsáveis pela existência das empresas e, obviamente, a existência de profissionais como nós?

Para começarmos essa reflexão, nada melhor do que definirmos a representatividade do que é uma escolha, uma vez que nunca fomos obrigados a abraçar a nossa área, e para nos ajudar com isso, Stephen Covey, autor do célebre livro “Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes”, nos diz:

“Nossos dons exclusivos nos elevam acima do mundo animal. A amplitude com que exercemos e aprimoramos esses dons nos permite realizar nosso potencial essencialmente humano. Entre o estímulo e a resposta, encontra-se o nosso maior poder – a liberdade de escolha”

Ou seja, escolhemos ser Especialistas em Clientes porque somos livres, e por sermos livres escolhemos Marketing, escolhemos Gestão Comercial e escolhemos Comunicação.

Escolhemos servir aos clientes de forma que para sermos reconhecidos por eles, varamos noites em projetos com prazos apertados, não descansamos até analisarmos todas as possibilidades para a criação, o desenvolvimento e a comercialização de produtos e serviços. Aprendemos também todas as nuances de como nos comunicarmos com esses clientes, levando em consideração o seu perfil e suas diferenças culturais, adaptamos nossos produtos e serviços de acordo com nossos clientes e precisamos ser paranoicos para o estudo constante deles. Além disso, devemos nos acostumar com a análise numérica das informações e entender estatística, pois o século XXI e a sociedade da informação nos exige isso.

Ser Especialista em Clientes, significa não ter uma cartilha com análises, atitudes e comportamentos pré-definidos, pois os clientes estão em constante evolução, e temos que acompanhá-los. Diria mais… acredito que temos que guiá-los nesse desenvolvimento, disponibilizando produtos e serviços que propiciem tal desenvolvimento dos clientes e da sociedade como um todo.

Em suma, acredito que devemos ser eternos estudantes, estarmos dispostos a aprender, e aprender sempre, pois nós temos dois grandes inimigos nessa área:

1 – a Preguiça de não querer aprender e;

2 – a Soberba de acreditar que já sabemos de tudo e não temos mais nada a aprender sobre clientes.

Aprender, significa estar atualizado, consciente dos acontecimentos nas diversas áreas que podem exercer influência em nossos clientes.

Temos que Viver Marketing, viver Gestão Comercial, viver Comunicação, não só em 2017. Fomos livres para escolher atuarmos nessa área,portanto temos que viver nossa área para sempre!

Feliz 2017!

Até a próxima Folks!

 

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

1 comment

  1. Adriano Martinho Gomes

    Segundo o diretor marketing da Coca-Cola Marcos de Quinto “Para antecipar as demandas, observar o que as pessoas estão fazendo é mais importante do que ouvir o que elas dizem”. Fórum a Revolução do Novo Mundo – Revista Exame ano 51 – n. 2 – fevereiro/2017.