Tendências Mundiais do Varejo 2013 – National Retail Federation

Todos os anos, no mês de janeiro, acontece em Nova York, nos Estados Unidos a National Retail Federation, maior feira mundial de varejo com representantes, empresas e clientes varejistas de mais de 150 países. Trata-se de uma oportunidade para verificar a importância do comércio varejista em todo o mundo e principalmente as tendências do varejo não só para 2013, como para os próximos anos.
Tivemos acesso ao documento oficial de fechamento da feira e com base nele, compartilho as tendências observadas na feira de 2013 com você leitor do Implantando Marketing:


1 – Uso da Tecnologia para Atiçar os Sentidos dos Clientes

Não é de hoje que sabemos a importância do Marketing Sensorial para o desenvolvimento das estratégias de Marketing e estratégias comerciais das empresas, principalmente no varejo. A novidade nesse caso é o desenvolvimento cada vez mais rápido da tecnologia capaz de realizar isso, bem como o interesse de grandes empresas de tecnologia nesse nicho de mercado.
O grande exemplo é a máquina de temperos e cafés desenvolvida pela gigante de tecnologia Intel que além de disponibilizar o produto para os clientes, apresenta o odor do produto específico que está sendo preparado naquele momento.

2 – Clientes dentro das Lojas é Sinal de Aumento das Vendas?
Outra constatação que os varejistas tiveram em 2013 foi o crescimento exponencial dos clientes do tipo “Showroomers”, que são aqueles clientes que vão até as lojas, interagem com os produtos expostos, e que depois pesquisam o mais barato e compram pela internet.

Isso faz com que os varejistas tenham maior necessidade em trabalhar melhor as técnicas de vendas aplicadas em suas lojas como forma de não perder tanto espaço para o comércio eletrônico.

3 – O Fim dos Caixas Está Cada Vez Mais Próximo
Durante muitos anos, a teoria de que os caixas humanos perderiam espaço para o auto atendimento, onde os clientes não precisariam mais passar pelos caixas e pegar as incômodas filas, não passou disso mesmo, uma teoria.

Porém com o desenvolvimento constante das Etiquetas inteligentes (ou RFID – Identificação via rádio frequência), bem como, dos equipamentos necessários para a leitura das Etiquetas, isso é cada vez mais presente no cotidiano varejista. Um exemplo da utilização dessa tecnologia é a Rede de Lojas MeMove com 10 lojas no Brasil onde em uma loja que possui de 1000 a 1500 metros quadrados, o número de caixas é extremamente reduzido e existem bolsões de pagamento próximo aos provadores, onde os clientes podem pagar pela mercadoria sozinhos, assim que saem dos provadores.

Embora algumas das tendências aqui apresentadas não sejam novidades para muitos, acredito que a maior novidade é a aplicação real com apresentação de resultados que tais tendências apresentam. Ou seja, deixam de ser tendências e mostram-se cada vez mais como realidades.

E você? Já presenciou a utilização de algumas das tendências acima? Compartilhe sua opinião e sua experiência conosco!

Até a Próxima!

FAÇA PARTE DO PROJETO

O Implantando Marketing visa a união dos profissionais das áreas de Marketing e Comunicação Empresarial e busca formas de divulgação e crescimento dessas áreas através da Implantação de Departamentos de Marketing e Comunicação em pequenas e médias empresas. Para isso, compartilhamos experiências e conhecimentos necessários aos profissionais e empreendedores que querem se beneficiar dessa Implantação. Envie o seu currículo e escolha um dos núcleos do projeto.

Leave a Reply to Bel Cabreira Cancel Reply

12 comments

  1. Janaina Rehder

    Muito bom Clayton!

    Estava mesmo curiosa para saber as novidades que foram na NRF!!!

    Abraços,

    • Clayton Alves Cunha

      Janaína,

      Obrigado!

      []’s

      Clayton Cunha

  2. Olha que bacana!

    Com certeza ir a uma loja, “explorar” (no bom sentido) o vendedor sobre o produto e depois pesquisar na internet o melhor preço é fato,rs… Digo isos por experiência própria!

    • Clayton Alves Cunha

      Priscila,

      Pra vc ver, garanto que vc não é a única. Já fiz isso algumas vezes também…
      Agora, há de se pensar em que estratégias os varejistas podem pensar, para diminuir esse movimento!

      []’s

      Clayton Cunha.

  3. Olá Clayton, acredito que o marketing sensorial seja a tendência mais evidente. Por meio desse tipo de marketing as lojas físicas tentam cativar os showroomers e garantir o seu espaço perante as vantagens do comércio eletrônico e à concorrência. Quanto ao fim dos caixas humanos, acredito que por mais que fique reduzido, não irá acabar, como você colocou. Muitas empresas reduzem o número de atendentes por questão de custo ou porque a tecnologia se torna uma facilitador. Por outro lado, as empresas perceberam também a importância da presença de pessoas e da possibilidade de um atendimento humanizado como vantagem competitiva. Afinal, em alguns momentos, ser atendido por uma máquina não é propriamente a vontade do cliente.

    • Clayton Alves Cunha

      Janaina,

      Concordo contigo quanto à necessidade do contato humano. Porém creio que seu papel pode ser expandido. Por exemplo, ao invés de termos aquela área tradicional de caixas nas lojas, podemos ter vendedores/consultores que podem exercer também o papel de caixas utilizando-se da tecnologia RFID.
      Ou seja, creio que “fim” nesse caso é o fim da atuação tradicional do caixa. Creio q o atual caixa evoluirá!

      Obrigado pelo comentário!

      []’s

      Clayton Cunha.

  4. Bel Cabreira

    Concordo com a Janaina em relação à necessidade do contato humano, porém se considerarmos o aumento das compras via internet e até a realidade dos showroomers, vejo muito mais, no futuro, o “caixa” mudando para um consultor/vendedor como o Clayton sugere, do que continuarmos com as filas imensas e cansativas.

    • Clayton Alves Cunha

      Bel,

      Obrigado pelo Comentário!
      Creio que um dos motivos da “falsa eliminação” dos caixas é exatamente a tentativa de dinamizar as lojas, seguindo o que a Pesquisa Operacional recomenda (teoria de filas) !

      []’s

      Clayton Cunha

  5. Excelente tema, CLAYTON.
    Outra tecnologia que parece nesse ano ganha mais força é o NFC (near field communication) que na prática, vai viabilizar os pagamentos nos caixas (não-humanos?) através de equipamentos móveis (smartphones, tablets, câmeras digitais, etc).
    Vamos acompanhar!
    Abraços e $uce$$o! :)

    • Clayton Alves Cunha

      André,

      Tem razão! Creio Que existem muitas tecnologias sendo desenvolvidas que visam o aumento da experiência do cliente no PDV… Acho que é só a ponta do Iceberg!
      Como vc mesmo disse, vamos acompanhar!

      Obrigado pelo Comentário!

      []’s

      Clayton Cunha.

  6. Geise Souza

    Na minha opinião seria realmente mais prático, pois você finaliza sua compra naquele mesmo instante no caso de haver um vendedor/consultor, acredito que o cliente ganha em atendimento, comodidade e conforto.

    Acredito ainda que a tendência tecnológica leva a termos mais máquinas do que pessoas nos atendendo.

    Ótimo post Clayton!
    ABS!!

    • Clayton Alves Cunha

      Geise,

      Muito obrigado pelo comentário!
      Não é de hoje que a discussão sobre a necessidade ou não de caixas humanos/autimáticos é grande!

      []’s

      Clayton Cunha